O Facebook descobriu que irritar as pessoas faz com que elas gastem mais tempo irritando-se

Empresa brasileira desenvolve spray anti-Covid à base de nióbio
15 de outubro de 2021
Quer investir? A B3 oferece cursos para quem quer aprender a operar no mercado de ações
17 de outubro de 2021

O Facebook descobriu que irritar as pessoas faz com que elas gastem mais tempo irritando-se

Foto: Annie Spratt/Unsplash

Frances Haugen, uma ex-funcionária do Facebook, apareceu no “60 Minutes”, onde criticou o Facebook, uma empresa de capital aberto, por “otimizar o conteúdo que obtém engajamento”. Em outras palavras, o FB tenta manter os usuários em sua plataforma o máximo possível para ganhar dinheiro, algo que uma companhia aberta tem como obrigação perante seus acionistas.

“Whistleblower” Haugen trabalhou na sede do Facebook, no que a empresa chamou de Integridade Cívica, que, de acordo com o “60 Minutes”, lida com “riscos para as eleições, incluindo desinformação”. Lá ela descobriu que o conteúdo personalizado do Facebook para os usuários busca desencadear emoções, inclusive raiva, para que o usuário passe o máximo de tempo possível na rede.

“60 minutos”: “O algoritmo (do Facebook) escolhe entre essas opções com base no tipo de conteúdo com o qual você mais se envolveu no passado.”

Haugen: “Uma das consequências de como o Facebook está escolhendo esse conteúdo hoje é que ele está otimizando para um conteúdo que consegue engajamento, uma reação, mas sua própria pesquisa está mostrando esse conteúdo que é odioso, que causa divisão, que é polarizador, é mais fácil inspirar as pessoas à raiva do que a outras emoções. O Facebook percebeu que, se mudarem o algoritmo para ser mais seguro, as pessoas passarão menos tempo online, clicarão em menos anúncios, e a empresa irá faturar menos. “

A pergunta é: como isso é diferente de qualquer outro meio, seja televisão, tv a cabo, rádio, rádio, jornais, tablóides ou outras mídias? Lembre-se do ditado sobre os jornais: “Se sangra, vende”. Como apresentador de rádio por quase 30 anos, sei que as classificações avaliam não apenas quantas pessoas ouvem, mas por quanto tempo elas ouvem. É uma parte importante da fórmula que determina a popularidade de qualquer programa. Quanto mais popular o programa, mais anunciantes ele atrai. Quanto mais anunciantes um programa atrai, mais eles pagam.

Resumindo, o Facebook descobriu que irritar as pessoas faz com que elas gastem mais tempo irritando-se, o mesmo método que o “60 Minutes” segue para obter classificações. Na verdade, o “60 Minutes” promoveu fortemente essa suposta entrevista “bombástica” com o denunciante.

O verdadeiro escândalo, nem mesmo sugerido por Haugen ou “60 Minutes”, é a óbvia supressão de conteúdo conservador pelo Facebook, Twitter e pelos veículos de “notícias” progressistas.

O tratamento dispensado ao ex-presidente Donald Trump se destaca como o exemplo mais flagrante. Dias antes da eleição de 2020, o Twitter proibiu o New York Post de postar sua própria exposição sobre Hunter Biden e que seu pai Joe, apesar de suas negativas, sabia claramente sobre o envolvimento de seu filho em uma empresa de energia da Ucrânia.

E o Facebook baniu Trump após a “insurreição” de 6 de janeiro por supostamente espalhar a “Big Lie”, ou “Grande Mentira”, sobre as eleições de 2020.

Não importa que Hillary Clinton tenha repetidamente chamado a eleição de 2016 de “roubada” e Trump de “ilegítima”. Várias pessoas se envolveram na violência e protestos nas ruas em muitas cidades quando Trump foi eleito e mais de 200 manifestantes foram presos quando Trump tomou posse. De acordo com uma pesquisa YouGov de março de 2018, dois terços dos democratas acreditam erroneamente que a Rússia “adulterou as contagens de votos” na eleição de 2016.

É verdade que, de acordo com uma pesquisa da Universidade Quinnipiac no início deste ano, 76 por cento dos republicanos que se identificam a si mesmos acreditam que houve “fraude generalizada nas eleições de 2020”. Mas, de acordo com uma pesquisa Gallup de 2018, 78% dos democratas acreditam que os russos não apenas “interferiram” em 2016, mas “mudaram o resultado” daquela eleição. Portanto, mais democratas consideram a eleição de 2016 “roubada” do que republicanos que pensam da mesma forma em relação a 2020. Neste sentido então, por que o Facebook não baniu Clinton?

Resumindo, Haugen quer mais, não menos supressão de conteúdo que ela considera “odioso” e “polarizador”. Mas então quem decide o que é odioso ou não? Seriam essas as mesmas pessoas que chamam o 6 de janeiro de “insurreição” e que baniram Trump permanentemente, mas não Hillary Clinton, por promover a “Big Lie”?

A questão não é utilizar uma ferramenta para manter o usuário online por mais tempo, mas quem ela quer manter online, silenciando uns e fazendo “vista grossa” a outros.


Fonte: Intellectual Takeout – Por Larry Elder – autor de best-seller, apresentador de talk show de rádio.

Ajuda? Chat via WhatsApp