Mauricio Claver-Carone é o novo presidente do BID

Anvisa libera retomada de testes de vacina da Oxford
12 de setembro de 2020
Testes com vacina de Oxford recomeçam hoje no Brasil
14 de setembro de 2020

Mauricio Claver-Carone é o novo presidente do BID

Foto: cortesia

O Ministério das Relações Exteriores (MRE) comemorou a eleição do norte-americano Mauricio Claver-Carone para a presidência do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Carone é o primeiro cidadão dos Estados Unidos a liderar a instituição em seus 61 anos, tendo sido uma indicação do presidente Donald Trump que recebeu o apoio do governo brasileiro. Assessor sênior do presidente dos EUA, Claver-Carone assumirá o cargo a partir do dia 1º de outubro e deve cumprir um mandato de cinco anos à frente da instituição. 

“Apoiada pelo governo brasileiro, a eleição de Mauricio Claver-Carone representa uma proposta de gestão pragmática, transparente, eficiente e associada a valores comuns e fundamentais às Américas, como democracia, liberdade econômica, desenvolvimento sustentável e Estado de Direito. Nesse espírito, o Brasil acredita que o BID terá papel ainda maior para alavancar os recursos necessários para apoiar a recuperação econômica da região, principalmente por meio de investimentos do setor privado e em infraestrutura”, afirmou o Itamaraty, em nota oficial.

BID

O banco, com sede em Washington, foi fundado em 1959 com o propósito de financiar projetos de desenvolvimento econômico, social e institucional e promover a integração comercial na área da América Latina e o Caribe. Desde então, sempre teve como presidente um cidadão de naturalidade latino-americana, incluindo o atual, o colombiano Luis Alberto Moreno, à frente da instituição desde 2005. Ao todo, o BID é composto por 48 países-membros, que incluem as nações latino-americanas e da região do Caribe, além de EUA, Canadá, União Europeia, Japão, China, Coreia do Sul e Reino Unido. 

Os EUA têm o maior peso nas decisões do banco, com 30% do poder de voto, seguido por Brasil (11,3%), Argentina (11,3%), México (7,2%), Japão (5%), Canadá (4%) Venezuela (3,4%), Colômbia (3,1%) e Chile (3,1%). Os demais países, juntos, somam cerca de 21,2% dos votos. Na eleição deste sábado, Maurício Claver-Carone foi eleito com 30 votos a favor e 16 abstenções. O norte-americano obteve o apoio de 66,8% do capital votante. Na América do Sul, além do Brasil, apoiaram a candidatura de Carone os governos do Paraguai, Peru, Colômbia e Bolívia, entre outros.

AB